Posts com a tag “japão”

Japonês processa a cidade pelo direito de ter barba

Em 2015, Eiji Kono, um condutor que trabalhava para o Metrô Municipal de Osaka, estava fazendo uma entrevista de avaliação com um dos gerentes de recursos humanos da organização. Os 50 e poucos anos de Kono fez com que se sentisse confortável e então este seria um bom momento para questionar a respeito de uma preocupação que ele tinha.

“Na minha última avaliação, fiquei marcado em duas áreas porque tenho barba, não é?”, Perguntou Kono, e ele estava certo. “Você repetidamente falhou em atender os padrões de higiene pessoal, por isso não tivemos escolha a não ser marcá-lo”, informou o avaliador. “Então você pretende me marcar de novo?”, Perguntou o ainda barbudo Kono, que lhe rendeu uma resposta: “Se você não seguir os padrões de higiene, não pode ser ajudado. Estamos seguindo as regras ao fazer as avaliações. ”

Temos que brindar a vitória
Temos que brindar tal vitória

As normas e regras a que o avaliador se referia foram codificadas pelo Departamento de Transportes Municipais de Osaka em 2012, quando a organização acrescentou uma provisão afirmando que os empregados do sexo masculino deveriam estar “bem barbeados e sem barba. Barbas, incluindo barbas aparadas e penteadas, não são permitidas. ”

O rosto barbudo de Kono rendeu-lhe a menor pontuação de avaliação possível, e ele decidiu processar a cidade, pedindo compensação monetária pelo que ele alegou ser uma avaliação injustamente baixa de sua capacidade de fazer bem o seu trabalho.

O juiz Hiroyuki Naito, do Tribunal Distrital de Osaka, proferiu seu veredicto, decidindo em favor de Kono e de outro funcionário anônimo que também estava alegando uma avaliação indevidamente baixa dos empregados do Metrô Municipal de Osaka. Enquanto Naito reconheceu a necessidade e lógica racional do operador ferroviário para ter seus funcionários projetar uma imagem higiênica, não intimidante, ele finalmente decidiu que a empresa poderia, no máximo, pedir a cooperação voluntária dos funcionários em estar bem barbeado. “Aumentar ou não a barba é uma liberdade pessoal, e infringi-la é ilegal”, afirmou Naito, enquanto determinou que a cidade de Osaka pagasse 440.000 ienes (US $ 3.900) em indenização aos funcionários.

Atualmente a administração do Metrô em Osaka é privado, mas a vitória de Kono é mais moral, apesar de admitir que a quantia em dinheiro é bem razoável. Kono que ainda ostenta um cavanhaque, disse estar feliz pela decisão, e por ter assegurado seu direito de escolha “Minha barba é uma forma de expressão pessoal, por isso se eu a tirasse não seria eu mesmo” afirmou ele.

O Japão é um país bem chato no que se relaciona a questões estéticas, existem escolas das mais diversas, técnicas, auto-escolas, natação, entre outros locais que não permitem cabelos loiros, as piscinas, e vários estabelecimentos como casas noturnas, lounges em praia e onsens, não permitem pessoas tatuadas, mas a tatuagem tem também um motivo histórico, algumas emissoras de tvs também não permitem que seus apresentadores e repórteres tenham o cabelo tingido por determinadas cores, mas barba é a primeira vez que vejo um tipo de restrição, apesar de não ser muito comum por esses lados.

Ostento minha barba faz alguns anos, e felizmente nunca tive problemas, mas sei que por algum tempo os pêlos faciais não foram bem vistos na sociedade, e ainda existe um certo tabu em algumas castas da sociedade, e por motivos óbvios a maioria das mulheres não gostam, então a barba na grande maioria das vezes é admirada por outros homens, já que o dna asiático é desprovido de uma abundância capilar facial, mas ter o direito assegurado possuir barba ou não e isso não interferir em sua avaliação profissional é o mínimo, uma vez que a estética não define a competência de ninguém.

 

Vi aqui e aqui

Case-se igual em Final Fantasy

Os fãs de Final Fantasy que pretendem se casar em um futuro próximo podem considerar uma cerimônia que possa unir a cerimônia matrimonial e a paixão pela franquia.

Um empresa japonesa de planejamento de casamentos começará a oferecer o  Final Fantasy  XIV Wedding, criando uma versão do mundo real da Ceremony of Eternal Bonding do famoso RPG .

 

 

O projeto é uma parceria da Deuxzero com a Square Enix, a empresa especializada na realização de casamentos é sediada em Kobe.

Além das vestimentas da noiva e do noivo que é baseado no jogo Garments of Devotion, o plano de casamento também inclui a recepção,  pratos  e bebidas todas inspiradas  na franquia Final Fantasy. Isso pode significar que os casais devem ser cuidadosos com quem convidam se não quiserem confundir ou ofender os convidados que não sabem nada sobre o jogo.

Mais detalhes serão anunciados no Dia dos Namorados (é claro!), então os serviços deverão ser disponíveis em algum momento de 2019.

Para se ter uma ideia do sonhado casamento, é assim que ocorre a cerimônia no jogo.

 

Residentes preservam monumentos do desastre de 11 de março

Em 2018 faz 7 anos que um forte terremoto que ocasionou um devastador tsunami que acabou com cidades inteiras no nordeste do Japão em 11 de março, muitas vidas foram perdidas, mas os sobreviventes desse grande desastre tem suas histórias de como conseguiram se salvar.

Yuichi Yonezawa acredita que deve sua vida ao prédio de três andares que abrigava sua empresa em Rikuzentakata, na província de Iwate, severamente afetada pelo tsunami.

Em 11 de março de 2011, Yonezawa correu até o telhado do prédio e subiu até chaminé, escapando por pouco do ataque de água do mar que subiu cerca de 14 metros acima do nível do solo, onde ele estava.

Agradecido por sobreviver e decidido a entregar suas lembranças dos horrores da catástrofe, ele decidiu preservar o edifício, que fica na parte central da cidade onde a maioria das outras estruturas foram removidas e o trabalho de reconstrução está progredindo.

Yonezawa, 53, teve até o momento 2.500 pessoas que visitaram de seu prédio. Ele aceita todos os pedidos  possíveis e também foi entrevistado por uma emissora de TV estrangeira.

Toda vez que ele percebe uma boa reação nos rostos dos visitantes, ele renova seu senso de missão para preservar os restos arquitetônicos.

Porém, a  manutenção do edifício vem com um pesado fardo financeiro. Ele tem que pagar mais de ¥ 500,000 em impostos sobre ativos fixos a partir deste ano. A demolição custaria apenas ¥ 5 milhões.

“Às vezes eu acho que fiz uma coisa estúpida”, confessou Yonezawa. “Mas sem o prédio, eu não estaria vivo e não poderia compartilhar minha experiência com os outros”.

Com alguns outros edifícios que oferecem testemunho do desastre, Yonezawa disse que irá suportar o fardo “pelo menos na minha geração”.

Ele está determinado a continuar a preservar o edifício enquanto ele puder, mas quer evitar passar o fardo para sua filha, que atualmente tem idade escolar primária.

Embed from Getty Images

Na mesma linha, os moradores de Tabito distrito de Iwaki, na província de Fukushima, continuam os esforços privados para manter uma fissura causada pelo forte terremoto em 11 de abril de 2011, o maior tremor pós terremoto de magnitude 9,0 em 11 de março.

A fenda, tão profunda como 2,1 metros em alguns pontos, se estende por cerca de 14 km. Um especialista a chama de “uma herança geológica que merece ser designada como um monumento natural”.

Inspirado pelo governo da decisão de Iwaki de preservar um dique costeiro fortemente danificado em lembrança do desastre com a ajuda de subsídios estatais, os residentes levaram a iniciativa de preservar a culpa.

Uma seção de 2 metros de profundidade da fissura está em terras pertencentes a Fujiyo Saito, 72.

Uma das fissuras abertas no aftershock em 11 de abril

Ela permite aos visitantes acesso irrestrito ao local. “Estou encantado apenas pelos visitantes que chegam”, disse Saito, que serve chá para esses convidados.

É incerto, no entanto, quanto tempo o projeto pode ser mantido. O distrito tem uma população de apenas 1.500, com 65 anos ou mais, representando 45 por cento do total.

Mesmo com a reconstrução das cidades, muitos pontos afetados pelo desastre tem se mantido como monumentos, uma maneira de manter na lembrança o ocorrido.

 

Fonte: Japan Times

Huis Ten Bosh inaugura hotel flutuante no Japão

O parque temático Huis Ten Bosh, localizado em Nagasaki, apresentou um hotel um tanto quanto diferente, um hotel flutuante que não é um navio de cruzeiro, mas sim uma versão dos hotéis cápsula que são muito populares entre turistas até pelo seu valor bem abaixo dos hotéis tradicionais.

As cápsulas flutuantes ficam em uma ilha do parque e podem acomodar de 2 a 3 pessoas, o Huis Ten Bosh é um parque temático holandês, e a operadora do parque prevê que as cápsulas comecem a ser testadas para receber os hospedes ainda esse mês.

Cada cápsula possui dois andares, o primeiro onde fica a acomodação para os hospedes, e o segundo é uma cúpula de observação.

Na ilha, a empresa planeja abrir uma nova instalação onde os visitantes poderão lutar contra dinossauros em um jogo de realidade aumentada.

Vi no Kyodo News

O baseball japonês

Faz alguns anos que comecei a acompanhar o baseball japonês , quando cheguei no Japão não entedia nada do esporte e nunca me interessei, mas digamos que hoje sou viciado no esporte mais popular do Japão.

O baseball é o esporte incontestável no Japão, e é chamado de esporte nacional japonês (ironicamente, o Japão realmente não possui esporte nacional oficialmente reconhecido, nem mesmo sumo ou kendo).

O esporte é tão popular quanto o futebol no Brasil, tanto que desde o ensino médio é levado muito a sério, com o National High School Baseball Championships (ou Koshien) que é transmitido pelas principais emissoras em rede nacional, e desse campeonato os destaques normalmente viram jogadores profissionais caso sejam escolhidos no Draft, um processo de seleção onde todos os times disputam os novos jogadores.

O baseball não é popular a toa, quando acaba a temporada os times organizam eventos com os jogadores, talk shows e apresentações das cheerleaders e os mascotes em diversos locais, existe toda uma mobilização entre as temporadas, e durante a pré-temporada a preparação e os treinamentos são transmitidos pelo pay per view, ou online nas contas dos times nas redes sociais, além de toda a cobertura diária da mídia.

Não irei me aprofundar na história do esporte, aqui em solo nipônico, o baseball, como é mundialmente chamado, leva o nome de yakiu, ou puró yakyu (baseball profissional).
A liga profissional é separada entre Liga Central (ce-league) e a Liga do Pacifico (Pa-league), ambas contam com 6 times,  no final da primavera os times da Liga Central e do Pacifico se enfrentam, e no final do ano os melhores de cada liga disputam a Climax Series, que são as finais do campeonato, o vencedor da Climax Series de cada liga disputam a Nippon Series, que define o campeão japonês.

Araki Masahiro Chunichi Dragons

O formato é bem parecido com o americano, pois existem as ligas principais, e ligas menores, onde os jogadores que estão em desenvolvimento, voltaram de lesão ou que passam por uma fase ruim, disputam e quem for se destacando pode ter a chance de jogar na equipe que disputa a liga principal.

Mas vamos ao que interessa, o jogo no estádio, que aliás é muito maneiro, apesar do jogo ser demorado, a maioria dos estádios oferecem várias comodidades, tem área de descanso, lugar para fumar, várias lojas de comida e acessórios, tem local para trocar fralda de bebês já que é comum famílias irem assistir os jogos, e caso você não queira sair para não perder nada, existem vendedores que passam a todo instante nos corredores vendendo cerveja, refrigerantes, sorvete e até comida. Algumas meninas que vendem cerveja tornam-se tão populares que ficam famosas e seguem carreira de modelo ou fazem trabalhos na tv.

Nos jogos que ocorrem no fim de semana são organizados eventos antes do jogo, no entorno do estádio além das barracas de bebidas e comidas, tem apresentação das cheerleaders, entrevistas com jogadores, e várias outras atividades que variam de acordo com o adversário e a época do ano.

Nos intervalos do jogo também tem atrações para o público, além da apresentação das cheerleaders, os mascotes dos times também animam o público.

No baseball também existe uma espécie de torcida organizada, mas eles vão nos jogos apenas para cantar e incentivar o time, os membros levam trompetes e tambores, e os demais torcedores cantam músicas para incentivar o time, os jogadores regulares normalmente ganham músicas próprias da torcida, que a entoam a cada entrada do jogador, além da músicas quando o time tem chance pontuar, que é o ponto alto quando toda a torcida do estádio se anima.

Os times também tem tipo um programa estilo o de sócio torcedor, mas aqui é chamado de Fan Club Official, os membros ganham presentes exclusivos, descontos, além de poderem comprar ingressos com antecedência e em lugares exclusivos, além de pode escolher os assentos disponíveis.


Assistir um jogo no estádio é uma experiencia espetacular, e mesmo com a rivalidade entre os time não existe violência entre os torcedores, ano passado assisti um jogo do Dragons (time que eu torço) no Tokyo Dome, estádio do Giants, e fiquei no meio da torcida adversária de boa comemorando a vitória do meu time, e quando é no Nagoya dome todos saem e pegam o metrô juntos pra ir embora de boa, atualmente assistir jogos no estádio é um dos meu passatempos favoritos.

Cantora Amuro Namie anuncia aposentadoria

Amuro Namie, uma das mais famosas cantoras de Jpop, anunciou através de seu site oficial que irá se aposentar no dia 16 de setembro do próximo ano, exatamente quando completará 26 anos de carreira.


A cantora que é natural de Okinawa fez muito sucesso nos anos 90, influenciando muitas adolescentes da época com seu estilo de vestir, com botas altas, saias e shorts curtos.
No decorrer dos anos Amuro Namie conquistou uma base sólida de fãs no Japão e em boa parte da Ásia, emplacando hits praticamente todos os anos, e com suas turnês sempre lotadas de fãs, tornou-se uma das cantoras de maior sucesso do país.

No último fim de semana ela celebrou seu 25º aniversário de carreira em grande estilo, com dois shows em Okinawa, sua terra natal.

O anúncio pegou todos de surpresa, vários artistas japoneses expressaram através do twitter estarem surpresos com a decisão, vários fãs também disseram estarem chocados com o anúncio, mas declararam que seguirão apoiando a cantora até seu último show.

Amuro Namie que completou hoje 40 anos de idade, anunciou a aposentadoria em seu site, agradeceu os fãs e prometeu dar o seu melhor nesse último ano, com o lançamento do seu último álbum e sua última turnê.

O que resta aos fãs é aproveitar esse último ano e torcer para que ela possa voltar a a cena musical no futuro.

Link do anúncio oficial aqui

Kotani Makoto o mendigo profissional

Sim, existem mendigos e sem-tetos no Japão, e a situação se agravou durante a crise de 2008, mas não é sobre isso que se trata o post, apresentar-lhes-ei Kotani Makoto, “mendigo profissional”.

Kotani era um aspirante a comediante, e assim como a maioria dos comediantes japoneses, até 2004 ele fazia parte de uma dupla que não fez muito sucesso, e persistiu com outro parceiro até 2009, mas também sem êxito.

Em 2013, Kotani tentou sua carreria solo na capital japonesa, Tokyo, desta vez em carreira solo, e lá foi ver o show do comediante King Kong Nishino; após o show, Kotani pediu uns conselhos, e então Nishino o convidou para morar com ele.

A ideia que poderia trazer mais conhecimento e uma troca de experiência para ambos, acabou em mais uma parceria mal sucedida para Kotani, que era uma pessoa muito organizada, esquecia de desligar o gás após o banho, e deixou de pagar o primeiro aluguel.

Apesar dos pedidos de desculpas, ele voltou a dever o aluguel no mês seguinte, após gastar todo o dinheiro com uma mulher que conheceu na noite, então Nishino resolveu coloca-lo para fora de casa e disse: “A partir de hoje você ficará desabrigado, sua vida definitivamente será melhor assim”, e não era brincadeira, a partir dai a vida de Kotani começou a mudar.

Nishino sugeriu que Kotani se vendesse por ¥ 50 por dia, ele topou.

Mesmo não acreditando muito na ideia, Kotani a colocou em prática, e notou que as pessoas sentiam-se culpadas pelo baixo valor, e sempre pagavam mais; O serviço basicamente consiste na pessoa paga-lo para que ele possa ajudar em algo, e durante esse tempo os clientes fornecem comida e as vezes um teto para que Kotani possa dormir, mesmo que seja no sofá ou chão da casa.


Assim que foi para a rua, Kotani começou a relatar sua experiência no twitter, e começou a chamar atenção ao relatar seu cotidiano, ele tentou alguns empregos, mas não obteve sucesso, não o mesmo que se alugando na rua.

Durante esse tempo ele conta que engordou bastante desde quando tinha um emprego regular e teto, pois os clientes que o alugam sempre o solicitam para acompanha-los em bares, restaurantes, e deixam-o comer a vontade.

Kotani contraria a imagem da maioria dos moradores de rua, que normalmente são pessoas que não tem sucesso nenhum e são evitadas pelas pessoas, ele é o oposto de tudo isso, tem milhares de fãs, e muitos dos clientes viraram amigos, e ele agora tem uma grande família.

Clientes pagam para que ele viaje para outros locais para visitar seus familiares, ou apenas para conferir como está o tempo, foi assim que ele conheceu a Coreia do Sul, mas o que mais ocorre são pessoas que pagam para que ele as acompanhe para beber, pois querem alguém divertido.


Kotani contou que já foi contratado para ficar em uma fila para tentar comprar a edição limitada de um tênis: “Consegui comprar o tênis, e fiquei feliz em ajudar alguém” disse.

Mas Kotani é solicitado para os mais variados serviços, principalmente após ganhar relativa fama, os serviços vão de companhia para conversar, até gente que o paga apenas para tirar uma foto nova para o perfil de alguma rede social, além das viagens que ele faz, todas bancadas pelos clientes.

Nessa vida Kotani conheceu sua esposa, pois é, ele é casado, mas ela não mora na rua.

Eles se conheceram quando ela pagou para poder marca-lo na estação de Nagoya e algumas pessoas o procurassem, e em outra oportunidade pagou para ele sair com ela para beber, e nessa ocasião alguém brincou e perguntou porque eles não namoravam (esse tipo de coisa é meio comum em bares por aqui), e ela disse: “Seria engraçado se nós acabássemos casando”, e por fim eles de fato de casaram, assim do nada, e com direito a festa e tudo.


Uma festa de casamento não é nada barata, mas Kotani e sua esposa conseguiram realiza-lá, tudo isso graças a ideia de um fã que sugeriu que ele fizesse um crowfunding, e com isso ele arrecadou cerca de ¥1.673.554 de 273 pessoas, e ainda teve contribuição de clientes e amigos, juntando tudo ele disse que arrecadou cerca de  ¥2.000.000

Depois de se casarem a esposa de Kotani voltou para Nagoya onde mora com a família, e Kotani segue em Tokyo com seu trabalho, isso também é algo comum no Japão, o marido trabalhar e morar em outra cidade, e no caso de Kotani faz mais sentido não morarem juntos, já que ele não tem moradia.

E a história da bem sucedida vida de sem-teto de Kotani não para por ai, além de se alugar, ele faz trabalhos beneficentes, que começou logo após seu casamento, quando um forte terremoto abalou as Filipinas, e ele embarcou em um navio com comida, água, sabão e ¥1.000.000 que sobraram da arrecadação do casamento, e ele doou para as vítimas do terremoto.

Ele passou um mês fazendo trabalhos voluntários nas áreas atingidas, e chegou a visitar um festival japonês, onde brincou e dançou com crianças locais.

Kotani atualmente tem um site onde as pessoas podem solicitarem seus serviços, e disponibilizou um plano especial mensal, com direito a acesso direto em um grupo privado no facebook onde os clientes podem interagirem e organizarem eventos.

Realmente a vida de Kotani ficou bem melhor sem um lar para morar.

 

Fonte: Tofugu

Topo